Previsão do tempo

Hoje - Canoas, RS

Máx
18ºC
Min
10ºC
Pancadas de Chuva

Domingo - Canoas, RS

Máx
16ºC
Min
10ºC
Chuva a Tarde

Segunda-feira - Canoas...

Máx
17ºC
Min
8ºC
Predomínio de

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Últimas notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,34 5,34
EURO 6,05 6,05

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Newsletter

Flavio Bolsonaro pede ao STF que arquive ação contra decisão sobre foro privilegiado

1 de 1 O senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro — Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo A defesa do senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ) pediu nesta terça-feira (30) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que arquive uma ação conta a decisão da Justiça do Rio de Janeiro que levou o caso das "rachadinhas" para a segunda instância. Flavio é filho do presidente Jair Bolsonaro. A ação foi apresentada pelo partido Rede Sustentabilidade. No último dia 25, a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio decidiu enviar o processo das "rachadinhas" para a segunda instância por entender que Flávio Bolsonaro tem direito ao foro privilegiado de deputado estadual, mandato que exerceu até 2018, quando foi eleito senador. O caso vai ser analisado pelo ministro Celso de Mello. A Rede argumenta que o próprio STF decidiu em 2018 que o foro privilegiado só vale para crimes cometidos no mandato e em razão da atividade parlamentar. A Rede argumenta, então, que Flavio Bolsonaro não é mais deputado estadual e, com isso, o caso das "rachadinhas" deve retornar para a primeira instância da Justiça. A defesa de Flavio Bolsonaro, no entanto, argumenta que ele nunca perdeu o direito ao foro porque, após deixar o mandato de deputado estadual, foi eleito senador. Ministério Público O MP do Rio de Janeiro também acionou o STF contra a decisão da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio. O órgão quer manter o caso na primeira instância. No entendimento do MP, a decisão da 3ª Câmara Criminal descumpriu as decisões do STF em relação ao foro privilegiado. O ministro Gilmar Mendes é o relator da ação e pediu informações à 3ª Câmara e à Procuradoria Geral da República.
30/06/2020 (00:00)
Visitas no site:  691238
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.